Boa iluminação faz toda a diferença!

16/04/2012
Os efeitos visuais da iluminação vêm sendo estudados a mais de 500 anos e há registros de que Leonardo da Vinci escreveu sobre ruas iluminadas. Com a introdução da iluminação à gás e a luz elétrica, em meados de 1800, o estudo dos efeitos visuais da iluminação começaram a ser mais práticos. De lá pra cá, todos os esforços foram focados em projetar ambientes melhores iluminados. Com a recente descoberta, no ano de 2002, de uma nova célula fotoreceptora no olho que controla os efeitos biológicos da luz e da escuridão, foi possível entender que a boa iluminação tem influência positiva no bem-estar, no desempenho, na produtividade e até na qualidade do sono. Isso significou também que os parâmetros de boa iluminação precisavam ser revistos.
 
É importante que arquitetos e engenheiros tomem consciência de que o desenho da iluminação pode incidir negativamente na qualidade da visão de crianças, adultos e, principalmente, dos idosos. Assim como se fazem adaptações em um espaço físico para atender a quem tem problemas de locomoção, também é preciso criar soluções para a boa iluminação, que ajuda não só a ver melhor, mas também a auto-confiança e autonomia. A cor da luz, por exemplo, representa um papel de destaque: uma luz um pouco azulada dá a impressão fresca, que é frequentemente agradável e estimulante, enquanto uma luz avermelhada dá uma impressão morna que pode ser experimentada como aconchegante.
 
Mas afinal, o que é uma boa iluminação?
 
Para começar, podemos resumir o funcionamento da visão: a luz refletida em um objeto passa pela córnea do olho; o cristalino é ajustado para focalizar os raios de luz, que chegam então à retina, onde milhões de células sensíveis à luz interpretam esses raios e transmitem a imagem ao cérebro. Deu para perceber a importância da luz nesse processo, certo? De qualquer forma, a boa iluminação depende sim, do tipo de luz com a qual cada pessoa se habituou a viver e se ela é portadora de problemas de visão. O que é afetada comumente pela presença maior ou menor de luz é a percepção visual. Isso pode fazer com que o cérebro interprete de forma diferente os dados que chegam até ele. Com mais luz, por exemplo, é possível perceber mais cores, o que sempre é mais confortável.
 
E com o avanço da idade, as pessoas enxergarão melhor as letrinhas se tiverem mais contraste, que pode ser conseguido com aumento da quantidade de luz. É importante frisar que aos 60 anos precisamos de, pelo menos, iluminação três vezes maior do que aos 20 anos. Vários dos leitores já devem ter sentido na pele, quando vão a restaurantes, a necessidade de esticar o braço ao máximo na tentativa de colocar o cardápio em foco ou mesmo os pedidos de ajuda na hora de preencher cheque. A presbiopia, a chamada "vista cansada", já exige esforços extras dos que tem seus 50 anos, o que dirá se a iluminação não corresponder ao mínimo necessário. A boa iluminação, em suma, é aquela que oferece quantidade de luz e contraste suficiente para a realização das tarefas. A má iluminação é a que causa ofuscamento ou não permite reconhecer os detalhes.
 
Capítulo à parte se aplica à boa iluminação no ambiente de trabalho. A maioria das organizações já percebeu que um ambiente agradável é benéfico para a motivação dos funcionários e resulta no aumento da produtividade e retenção de talentos. Reverberando o que já citamos acima, um dos itens ambientais mais importantes quando falamos de local de trabalho é a iluminação, que pode conduzir os trabalhadores a um melhor desempenho, menor número de erros e maior segurança contra acidentes. Só para se ter uma idéia, diversos estudos demonstram que a iluminação adequada melhora em 20% a produtividade por aumentar a velocidade com que as tarefas são realizadas.
 
Em casa, para conseguir um ambiente funcional e confortável em termos de iluminação, a dica é o uso de camadas de luz, ou seja, além de uma luz básica que ilumine todo o ambiente, é bom usar fontes auxiliares como abajur ou luminárias em pontos específicos. Isso permite eliminar sombras e reflexos. As persianas nas janelas também dão a chance de controlar a entrada de luz natural, que pode ajudar bastante. Claro que se existem dificuldades no trabalho, optar por uma dessas fontes auxiliares pode ser uma boa pedida.
 
A boa iluminação, portanto, é peça fundamental para que a oftalmologia consiga desempenhar  seu melhor papel. Poder relacionar as espetaculares inovações tecnológicas por que passa a profissão com situações simples e básicas como a boa iluminação aponta a importância de algo que pouca gente percebe: os benefícios de ter a luz na medida certa.

Fonte
Nome
Email (não será divulgado)
Comentário
 
 
 

Av. Dr.Timóteo, 727/604 - Porto Alegre / Rio Grande do Sul / Brasil
(51) 8481-0711pkoch@terra.com.brSite desenvolvido pelo Club33